Da auto traição


Nós, mortais, vivemos numa cúpula permeada de desculpas. Quase todas para nós mesmos. Quando faltamos para com alguém, antes de qualquer tentativa justificativa para o outro, elaboramos, revisamos, lapidamos uma desculpa para nós mesmos. Porque a cúpula não pode se quebrar.
Porque a juíza implacável dos nossos atos é a nossa consciência. Ela sim, onipresente, onisciente e onifodalhona. Sempre ali, de olho aberto cobrando providências.
E como ela é muito ágil, sempre bom estar com a desculpinha ali, polida e revisada na ponta da língua. Os outros depois, antes de tudo a nossa consciência.
E quando a gente a trai? Putz! “Hoje estou cansado, mereço dormir mais meia hora”. Há poucos que conseguem ignorá-la e traí-la sem que ela fique pesada. Artistas da própria enganação.
Que assine aqui embaixo aquele que se permite, se deleita, se mima, vez ou outra. “Eu me traio”, assuma.
E que antes mesmo de consumar a auto traição, traça um plano de fuga onde pode se justificar sem se engasgar no primeiro questionamento mais incisivo. Afinal, é para nós mesmos que nos justificamos e ponto.

Anúncios

1 comentário (+adicionar seu?)

  1. Diego Mello
    nov 13, 2009 @ 08:43:33

    Excelente tema, Giu!

    Nossa consciência é mestre na arte de justificar nossos impulsos.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: